quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Ressentimento: veneno do espírito, por Spartaco Vizzoto

Imaginemos um indivíduo de poucos recursos quanto à força física, que seja agredido por um outro incomparavelmente mais forte. Sua reação imediata, instantânea, consistirá em um impulso de contra-ataque, que no entanto será refreado e recalcado em virtude de uma emoção – o medo que superou a ira inicial. Esta, porém, não desaparece. A contra-reação é adiada para um momento e situação mais favoráveis, nascendo assim um novo sentimento, o de vingança, caracterizado pelo deslocamento no tempo e no espaço da satisfação de um impulso agressivo. Essa energia psíquica em estado de latência pode libertar-se de várias maneiras: pela realização da vingança, através da agressão física e moral (insulto, calúnia, maledicência) ou pelo desprezo (se o agredido se considera de categoria individual ou social muito superior à de agressor). Na impossibilidade de tomar qualquer dessas atitudes, por debilidade física ou moral ou por imperativos circunstanciais insuperáveis, surge um angustioso sentimento de impotência, que imprime à personalidade características especiais – ela está envenenada pelo ressentimento, que a corrói nas suas funções mais nobres, degradando-a aos níveis morais mais inferiores. A intensidade desse fenômeno é particularmente grande quando ligado a um sentimento místico de direito e de dever. É o caso de um selvagem a quem se negou o “direito” a uma vingança de sangue e que se consumiu até morrer.
O ressentido sente e ressente milhares de vezes a mesma sensação de fraqueza, de frustração de seus desejos de represália. Traduz em todos seus atos e atitudes a ação maléfica dessa paixão: torna-se azedo, amargurado, seus juízes são pérfidos. É um detrator sistemático de todos os valores individuais ou sociais, numa tentativa ilusória de aliviar a sua tensão emotiva. É incapaz de um gesto de gratidão, pois transforma os favores que lhe fazem em material para seu ressentimento. “Senti desde muito cedo a penosa escravidão de agradecimento”, escreveu Robespierre, um grande ressentido.
Faça download do texto integral.

4 comentários:

Tania Montandon disse...

Muito interessante e útil suas considerações, também li o artigo no Portal Ciência e Vida. Parabéns pelo trabalho e bela condensação de idéias importantes! Se puder, dê também uma olhada neste texto: Evoluídos sentem raiva apenas por um minuto de Emilce Shrividya!

Abraço,
Tania

Lua disse...

neste texto encontrei a síntese das minhas reflexões como professora de História... gostei muito... Spartaco Vizzoto... vou conhecê-lo melhor... obrigada!!!

Valter A. Rodrigues disse...

A surpresa veio quando fui consultar as "referências do autor": médico psiquiatra do Instituto Juqueri, texto de 1945... Bom, enxuto, claro, direto. Bela descoberta, Amauri.

Jorge Magalhães disse...

Bom dia, li teu Blog e vi que ele tem conteúdo. Que tal então ganhar um bom dinheiro com ele?
Faça um teste e descubra como vc também pode ganhar dinheiro.

Boa sorte

Jorge Magalhães

Ganhe dinheiro com seu Blog ou Site
Use o link abaixo para acessar
https://publisher.smowtion.com/users/signup/magal